Diário de Viagem 2010 – Mosteiro e Capela de S. Jerônimo

Mosteiro dos Jerônimos

Depois da Torre, fomos ao Mosteiro dos Jeronimos e à Capela de São Jerônimo. O lugar deveria ser mesmo um espaço de oração e meditação. Muito bonito, passa uma sensação de paz muito gostosa.

Túmulo de Luis Vaz de Camões

Lá estão os restos mortais de Fernando Pessoa, enquanto a capela comporta os restos de Vasco da Gama – considerado o maior navegador português – e Luis Vaz de Camões, que dispensa apresentações.

Saindo de lá, bem… passamos novamente nos pastéizinhos de Belém (aquilo é irresistível, hehehe).

Este slideshow necessita de JavaScript.

Diário de Viagem 2010 – Torre de Belém

Tomamos caminho rumo à Torre – que resistiu ao terremoto que destruiu Lisboa e ainda ganhou uma praia por isso – uma construção pequena, sim, mas impressionante. A edificação, armada com canhões para todos os lados, seria para defender a capital das invasões por mar – ou rio, nesse caso.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Aliás, sobre o Tejo está a maior ponte de toda a Europa, a ponte Vasco da Gama. A que vemos na foto é a 25 de Abril, que era a maior fora dos EUA quando de sua construção.

Diário de Viagem – 2010 – Às margens do Tejo

Me empolguei tanto com os tais pasteizinhos que esqueci de contar de nossa visita à Torre e ao Mosteiro. Saindo da casa que vende os pastéis, passamos por um parque muito bonito, em direção ao rio Tejo, onde encontramos um monumento em homenagem às Grandes Navegações portuguesas. Muito bonito o tema e a construção forma uma caravela sob uma visão e uma cruz sobre outra. Muito fixe!

Depois, antes de seguirmos para a Torre de Belém, paramos – eu, Gaby, Paty, Gaby e Marcus – às margens do Tejo e ficamos ali, apenas ficamos ali. Um cenário memorável, companhias excelentes e o sol da tarde no verão europeu. Muito fixe sair com a malta!

Diário de Viagem – 2010 – Projeto ‘Final em Barcelona’ ainda vivo!

Depois de conhecer o Castelo de São Jorge, fomos – eu e o Marcus Vinícius – assistir o jogo Portugal x Espanha na Praça dos Touros, num telão, com algumas centenas de tugas. No começo fiquei com um pouco de medo, pois no sábado acontecera uma briga de brasileiros e portugueses após o jogo. O motivo? Os tugas queriam que os deixássemos ganhar o jogo para não enfrentarem a Espanha. Café com leite agora, meu? Casca fora!

Foi legal. Tinha um grupo de espanholas torcendo a caráter também e não rolou nada demais. A galera saiu triste e tudo mais, mas mantenho vivo meu projeto de assistir – e comemorar – a final da Copa na Rambla Del Mar, em Barcelona!

Diário de Viagem – 2010 – A cidade de Ulysses

Depois de encontrar o pessoal da GV, fomos conhecer o Castelo de São Jorge. A subida, de bonde, já valia o passeio: ver a pequena formação passando a centímetros das casas em uma subida íngreme, da mesma forma que devia fazer a décadas, foi uma experiência. Por falta de bateria na câmera, evitei algumas fotos, mas vou pedir para o pessoal me conseguir algumas e posto aqui pra vocês.

Lá em cima, o primeiro UAU foi para a vista: dá pra ver o Tejo de longe, com as casas descendo a encosta. Muito bonito.

Vista do rio Tejo

De lá, encaramos a subida até o Castelo. De verdade, vemos filmes, lemos livros, mas você precisa entrar em um castelo para entender do que se fala. Andar pelas muralhas lá no alto, olhar o redor a partir das torres, ver o centro onde devia “acontecer” a vida da cidade, o fosso ao redor. É indescritível. A sensação de estar lá – aliada à vontade de ter vivido um pouco do que foi aquela época – é algo que precisa ser sentido in loco, não dá pra simplesmente explicar.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Se não bastasse essa experiência, ainda assistimos a uma apresentação panorâmica da cidade de Lisboa – a cidade de Ulysses – ao vivo através de um jogo de espelhos e um sistema similar ao da fotografia dentro de uma das torres (justamente a de Ulysses que, segundo a lenda, teria fundado Lisboa). Sinceramente, foi uma das partes mais divertidas.

Pra fechar, deixo a frase que lemos logo ao entrar no Castelo: “Nem todos os que vão a guerra são soldados”.

E você, vai ficar aí parado?

Diário de Viagem 2010 – Compras um óculos?

Acordei tarde de novo. Está fogo não conseguir dormir a noite, perco boa parte do dia. Na hora do almoço fui encontrar o pessoal da GV que tinha chegado na cidade e aproveitei para caminhar um pouco pela

Metrô Lisboeta

Avenida Liberdade antes de ir para a região dos Restauradores encontrar o Marcus, a Gabi (namorada dele) e a Gabi de Breláz. Tá certo que não vim para ver brasileiros, mas foi muito bom encontrar rostos conhecidos. Divertido também foi descobrir que os vendedores de óculos da praça, na verdade, me ofereciam haxixe. Eles mostravam os óculos escuros e, em um movimento rápido de mão, revelavam o pacotinho por baixo da lente. Não sei, mas me ofereceram por 3 vezes só enquanto eu os esperava na praça.

Divertido, também, foi ver as pessoas trocando as figurinhas da Copa da Panini em frente ao Starbucks.

Figurinhas da Copa? Tanto cá como lá

Eu tinha visto algo assim no Brasil, mas aqui virou um comércio organizado: até tabelas de valores relativos eles tinham!

Ah, e divertido também foi descobrir que na terra dos patrícios, você paga para entrar no metrô. E também paga para sair! Oh, raios!

De lá, vamos conhecer o Castelo de São Jorge. Na volta conto para vocês como é.

Diário de Viagem 2010 – Primeiro dia em Lisboa (de verdade)

Este foi, de fato, o primeiro dia em Lisboa. Cheguei cedo ontem, mas acho que estava num ritmo muito forte na última semana (ou nas duas últimas semanas). Ainda estou pregado. Fui acordar no fim da tarde, pouco antes do jogo do Brasil contra o Chile. O hotel, como disse ontem, é bem legal. Curti, mesmo.

Ruas de Lisboa

Saí no final da tarde para explorar a região. Encontrei uma pastelaria (é como eles chamam aqui as lanchonetes) muito legal, comi uma tosta de pepperoni com queijo da Ilha e suco de pêra. A atendente me perguntou se eu era brasileiro pelo sotaque, mas disse que me passaria bem por português. Tá bom…

Pastelaria

Na volta, passei no Minipreço (que é da rede Dia% que temos no Brasil). Deixo a dica: sempre encontre um mercado por perto do hotel e abasteça o frigobar com sucos, águas e alguns salgados e bolachas. Comer no hotel é assassinato para a sua carteira. Dependendo de como estiver o bolso, você pode economizar uma refeição, tranquilamente.
Finalmente – depois de dormir mais uma tarde inteira – estou começando a me sentir melhor, mas ainda não consigo dormir a noite: viro na cama até as 5 da manhã.
Amanhã pretendo me aventurar pela cidade, lugares mais distantes para desbravar os segredos da minha primeira passagem pela terra de meus avôs.

Diário de Viagem 2009 – Buon Compleannos!!!

Finalmente, comemorando meu aniversário, o dia da pizza – que descobri ser Dia Mundial da Pizza apenas em São Paulo, hehehe – em frente à famosa Torre de Pisa!

Sonho realizado! (a pizza veio mais tarde). Apesar de longe da família, dos amigos, das pessoas que amo – e senti essa 2009-07-10 - Itália (10)falta no dia, com um nó na garganta – comemorar meus 30 anos na Itália, em frente à torre, foi maravilhoso!!! Pena que a velinha era muito grande e estava meio torta. Mas tinha um montão de gente lá pra comemorar comigo!!

De presente, vão abaixo algumas fotos de Pisa. Próxima parada: Firenze (Florença).