Não me surpreende…


…que uma bandeira brasileira tenha sido queimada no RS na semana da Independência.

Não é de hoje o desejo riograndense por independência, mas daí a queimar bandeiras em tempos de paz, só pode ter algum significado simbólico.

Não queimo bandeiras, acho desrespeitoso… mas concordo com alguns anseios separatistas, sim. Pra viver num país como esse, onde uma parcela desinformada decide o futuro dos demais, prefiro viver em um Sul e Sudeste (ou um Brasil do Sul), onde se investe em educação e especialização. Basta comparar PIB per capita dessas regiões frente o restante do país. E isso, antes que me xinguem, não tem a ver com preconceito: tenho amigos/conhecidos em praticamente todos os Estados da nossa pseudo-Federação e os respeito e admiro. E tbm não é puramente por posicionamento político (tenho amigos petistas com quem gosto de conversar política, pois sabem fazê-lo), mas tenho repulsa pela apolítica, a falta de política, a falta de se interessar pelo que acontece e pode definir o futuro de uma nação. E a crítica vale para as pseudo-esquerdas e para os centros (já que é fora de moda ser de direita).

Anúncios

4 comentários sobre “Não me surpreende…

  1. O que me supreende é o seu comentário.

    Querido, sugiro fortemente que você releia de novo todos os clássicos da formação Brasil. E sugiro ainda mais que você os atualize, talvez lendo os trabalhos de um cara como o acemoglu…

    Quanto às demais coisas, preciso só fazer uma colocação para você: até o início do século XIX, a elite do país era o Nordeste por causa do ciclo da cana-de-açúcar.

    O Sudeste e o Sul não eram nada, absolutamente nada. aliás, as rotas de charque (as tropas) eram meras fornecedoras para o grande mercado consumidor do nordeste. São Paulo era um mero entreposto, tal e qual qualquer cidadezinha pequena.

    Esta coisa de separatismo tem raizes desde a Revolução Farroupilha. Ao contrário do que a tradição inventada deles quer mostrar, a grande razão para ter ocorrido o esta revolução foi o fato destes caras terem se sentido alijados de uma posição central de poder pós-independência. O Rio Grande do Sul produzia principalmente para o mercado interno. Seus principais produtos eram o charque e o couro. As charqueadas produziam para a alimentação dos escravos africanos, indo em grande quantidade para abastecer a atividade mineiradora nas Minas Gerais e para as plantações de cana-de-açucar e para a região sudeste onde iniciava-se a cafeicultura. A região desse modo encontrava-se muito dependente do mercado brasileiro de charque, que com o câmbio supervalorizado, e benefícios tarifários, podia importar o produto por custo mais baixo.

    Em suma: querem se separar porque queriam ajuda governamental.

    O sul só passou a fazer diferença durante o período Vargas, que efetivamente o colocou no poder. Tanto é verdade que a ascensão das grandes empresas da região só ocorre com o Estado-Novo.

    Agora, o sul vive a decadência típica do fim de um ciclo econômico. Quanto ao fato de serem mais informados, isto é meia verdade, já que é difícil acreditar nisso, uma vez que a concentração da propriedade dos meios de comunicação no sul é maior até do que no NE (grupo Maurício Sirostky).

    Querido, em termos históricos gerais, estes caras precisam mais do NE do que o NE deles!

  2. Oooooooooops… acho que fui mal interpretado
    =P

    Quando digo que concordo com “alguns anseios” separatistas, me refiro à maior liberdade que os estados deveriam ter em uma suposta federação nacional. Essa maior liberdade permitiria que cada região cuidasse de forma mais pessoal de seus problemas regionais. Conforme disse no post, a questão não são as pessoas, mas a forma como se conduz a política em cada região. Sim, sim… há alienados em São Paulo. As vezes dá até bronca… quando falo de desinformados, não é uma crítica apenas às pessoas, mas principalmente à “politicagem” que se faz: daí a diferença das regiões que citei. Os investimentos em educação e especialização a que me referi no Sul/Sudeste não vêem de governos, mas de pessoas.

    Ah, e o lance do “simbólico” (da queimada da bandeira) é a minha leitura da notícia. Mas não acho um simbólico “bom”, acho desrespeitoso e inutil. Mas considero simbólico no momento em que visa passar um recado. Se é de fato ou não a intenção, talvez um retrospective sensemaking mascare isso para sempre. hehehe…

    Well, por fim, eu que sempre critico o atual governo (e ainda tem muita lambança rolando por aí), devo reconhecer algo que li hoje: tentarão negociar com as operadoras de banda larga a montagem de telecentros em todas as cidades do Brasil. Se é viável ou não, acredito que não no curto prazo. Eleitoreiro? Bem possível… mas, dessa vez, considero uma medida prática de fato para possibilitar acesso à informação. Na era da informação, essa ação tem muito valor.

    Congratulations!

  3. Para a informação do Mário Aquino Alves as razões que levaram a Revolução Farroupilha foram a total ausência do império no sul do Brasil, pois não praticamente não havia escolas, hospitais, estradas, a corrupção era tamanha provocada pelos presidentes do estado nomeados pelo império. Quanto a questão do charque os impostos chegava a 80% do seu valor, e a Província não via a cor deste dinheiro, pois era consumido, inclusive, pelo Nordeste que desde então já era afundado na corrupção. Sem falar na possibilidade do Brasil voltar a ser colônia, pois a família real havia voltado para Portugal deixando aqui o imperador menino, Dom Pedro II. Os primeiros a ingressarem nas guerras para defender as fronteiras no Brasil sempre foram os gaúchos. Na hora de receber, eram os últimos da fila, pois tinha que encher a pança dos nordestinos primeiros. Antigamente, o nordeste teve sua importância, pois a o Brasil começou no Nordeste, por razões óbvias, sendo povoado primeiramente na região litorânea. Em um segundo momento, o desenvolvendo foi se direcionando mais para o sul. Hoje em dia, não vamos comparar. São Paulo é o maior destino dos fugidos da fome do sertão nordestino. Não fale mal de São Paulo, pois não queira nem imaginar o que seria o Nordeste sem São Paulo e Rio de Janeiro.
    E o Rio Grande do Sul… bueno o Rio Grande do Sul é celeiro de produção de alimentos do país, dispõe de moderno parque industrial como o setor coureito calçadista (maior do Brasil), indústria moveleira, é polo metal mecânico, alimentos, isto apenas para mencionar algumas das mais importantes. O RS tem e sempre terá uma das economias privadas mais pujantes do Brasil. As questões de recursos do Estado, decorre de dois importantes fatores: o primeiro é que o RS é estado exportador (interfere decisivamente nos números da balança comercial do país – coloca dólares na economia, sabia?), por tal razão as isenções originadas pela Lei Candir reduzem sobremaneira a capacidade de arrecadação do Estado; já o segundo fator se deve a histórica capacidade de investimento em serviços públicos, como educação (só para ilustrar, das dez cidades brasileiras como melhor nível de educação no Brasil, sete são do RS), saúde (apenas para ilustrar é o estado do Brasil com o menor índice de mortalidade infantil, comparados somente aos melhores níveis da europa). Quanto a gestão pública, dos 100 municípios mais bem administrados do Brasil, 49 deles são do Rio Grande do Sul. É bom mencionar que RS tem o melhor IDH do Brasil. Isto só para proporcionar algumas das pinceladas sobre a superioridade do povo gaúcho. Para este ano a economia do RS deverá crescer 7%. O RS é eterno e eterno é o seu povo. Morram de inveja, e tentem aprender alguma coisa, pois fazer melhor, nunca conseguiriam.

    Agora que índices socias o nordestino Mário Alves tem para informar, quero dizer, os bons índices. Eu quero saber são índices, estatísca mesmo, não exemplos perdidos que nada interferem . Me parece que nenhum. A única coisa que o Nordeste produz é Renan Calheiros, ACM, Divaldo Suruagi, Garibaldi Alves, Mão-Santa, e outras tantas eresias da política nefasta brasileira. A coisa que o povo gaúcho mais quer na vida não é se tornar independente, é independizar o Nordeste e deixar que vocês se comam vivos, e deixem nossas riquezas em paz. Estamos cansados de trabalhar para sustentar essa esse atraso que é o Nordeste. O Nordeste é tão útil ao Brasil como uma buzina no avião da Gol e da TAM para evitar os acidentes que ocorreram. Ademais, não queira comparar Maurício Sirotsky com Collor, ACM, Jáder Barbalho, Romero Jucá que são detentores dos meios de comunicação do Norte e Nordeste. Não tem comparação. Aliás, não tente comparar nordestino com gaúcho, o nordeste terá que nascer de novo.

  4. Uopa! A coisa tá esquentando aqui… por isso eu amo SP.

    Ainda acho que fomos traídos em 32. E, independente do que foi o NE ou o SU, Sampa hoje banca um terço do PIB nacional, com contribuição de migrantes do NE e do SU.

    De boa, apesar de ter minha leve simpatia ao separatismo (nao por questões histórico-idealistas-religiosas, mas sim por pura questão de gestão de recursos), não penso que caráter tenha a ver com região ou religião. Assim como há corruptos no NE, há no RS e em SP. A questão que levantei não são os corruptos, mas o sistema que os perpetua em poder.

    E a propósito, recebi informação de um amigo de Caxias afirmando que a educação está um lixo no RS. Duas amigas de Camaquã estão repondo aulas até hoje (meados de Dezembro) por falta de aulas durante o período letivo. O que quero dizer com isso? Que temos um sistema de educação nacional que, a meu ver, está falido.

Comente aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s