A pior coisa


Andei pensando… sabem qual a pior coisa que pode acontecer? É aquilo que nunca aconteceu. É… pior do que comprar um carro velho, é não ter comprado nenhum. Pior do que ir mal na prova da faculdade, é sequer tê-la feito. Pior do que perder o gol feito é sequer ter entrado em campo. Pior do que amar alguém que não merece, é não ter amado ninguém. Pior do que errar, é nunca ter tentado.

Aprendi isso cedo. Aprendi com minha mãe, quando quis desistir do cursinho preparatório para a Federal. Minha mãe insistiu, insistiu, insistiu, até que voltei. Entrei com ótima colocação. Depois consegui bons empregos, paguei minha faculdade, meu carro, meu apartamento e tudo mais que consegui… porque minha mãe me ensinou a não desistir sem tentar.

E, ao mesmo tempo que aprendi, me parece incompreensível – ou compreensível e inaceitável – quando alguem tem medo de arriscar. Um professor de Direito Internacional, em uma aula de vida – muito mais valiosa que uma aula de faculdade – disse que um cavalo selado não passa duas vezes. E se passar, não é o mesmo. Então, quando tivessemos um pela frente, que montássemos e cavalgássemos. E ele está certo. Acabamos nos arrependendo não das coisas que fizemos, mas das que deixamos de fazer, costumo ouvir de meu velho – que não é velho – pai.

Não quero me arrepender do que não posso mais voltar atrás…


Nessa semana, deixei passar uma oportunidade. E confesso que fiquei com isso na cabeça… mas vou lutar para criar uma ainda melhor, já diria Francis Bacon.

Anúncios

21 comentários sobre “A pior coisa

  1. E é claro que pôde conhecer pessoas fantásticas e modestas como eu na Federal (grande Dona Bete!)

    “Arriscar é viver!!”

    Embora fiz muitas asneiras seguindo esse lema, gosto de pensar que vou morrer satisfeito de ter arriscado, e arriscado muito. Afinal, viver pedindo sempre o número 1 no MacDonalds não é viver – é simplesmente prolongar as mesmas experiências.

    Tiago

  2. Eu tbm fiz… e é natural.
    Teria feito asneiras se não tivesse tentado, tbm. Afinal, é fazendo m**** que se aduba a vida, né?
    hehehehehe

    Mas não me arrependo… e nem quero! Gosto do que fiz e faria tudo de novo, talvez melhor, mas faria de novo.

    E é claro que não teria conhecido pessoas, vivido as coisas que vivi na Federal. No fim, minhas amizades mais caras (de prezadas) são alguns poucos amigos que tenho da Federal… praticamente todos da velha guarda do Ágape

  3. Ah, e deixa minha mãe ler que vc a chamou de Dona Bete
    HAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHA

    Tua sorte é que ela tem medo de avião, senão tu levava um belo puxão de orelhas
    HAHAHHAHAHAHAHAHAHAAHAHH

  4. Adorei…
    Me identifiquei com mto com o texto,parabéns querido…
    Beijos.

  5. É verdade mesmo =/
    E não se preocupe com a oportunidade perdida
    Sabe aquela velha história do “Se não foi…não era pra ser”?
    Acho que se encaixa aí…E talvez não apareça apenas mais uma, mas várias
    ;D
    Saudades!

    Beijoo

  6. HEHEHE…ESSA VAI PRO MEU CADERNINHO: é fazendo m**** que se aduba a vida!!!!

  7. , ainda bem que se identificou… foste uma das fontes de inspiração para o texto
    hehehehe

    Line, nem curto essa de “se não era pra ser”. Sou do tipo que faz acontecer… e só disse que perdi uma oportunidade, mas não que me arrependi, mas apenas fiquei pensando e acabei escrevendo o post

    Loretta
    e não é?
    hehehehe…

  8. A frase completa é gaúcha: “O cavalo encilhado não passa duas vezes”

  9. As vezes por não sentirmos que somos capazes ou por medo, acabamos que deixando coisas boas passarem em nossas vidas, sem ao menos tentarmos.

    Muitas das vezes me escondo por medo de ser reprovada e vejo que por conta disso acabo perdendo grandes oportunidades.

  10. Mário
    nada como um grande Mestre

    valeu!

    Val

    é… já passei por isso… ainda passo, na verdade… mas tenho notado que estou mais “desencando”, pagando pra ver

  11. Olá! Estava passando por aqui, quando me deparei com seu texto, que por sinal nos faz parar e repensar nossas escolhas, nossos medos.
    Concordo plenamente com o texto, a vida é feita de escolhas, e na maioria das vezes quando optamos por algo, perdemos outro. E assim é a vida.
    O que não podemos é deixar de viver, o medo de tomar alguma decisão não pode nos congelar á tomar algumas atitudes, melhor sim se arrepender por algo que vc do que por não ter feito, para que no futuro bem próximo vc não se depare com aquela frase cruel:” E se eu tivesse feito isso???E se eu tivesse tentado como seria????
    Melhor tentar do que ter que conviver a vida inteira com alguns “Se” que irão aparecer nas nossas vidas…
    Um abraço.
    Lana.

  12. Eu odeio o “se”… mas não deixo de conviver com ele…

    Só espero que, ao olhar para trás, os “se”s não signifiquem muito

  13. É tbm odeio os “SE” mas por outro lado, quando estamos tendo que decidir algo que pode mudar por completo nossas vidas, tudo acaba se tornando mais dificil, mas complicado de decidir. Ás vezes é melhor continuar no mesmo lugar, do que talvez arriscar e perder coisas ou pessoas significativas…

  14. Ou não…

    É dificil falar disso, Lana… Eu ainda acho que o gosto amargo do “se” é horrível. Mas há outro ponto importante: estarmos certos quando fazermos uma escola. Sim, penso que é um segredo. Se estamos certos, confiantes, não nos preocupamos mais com o “se”. O problema é que as vezes tomamos decisões sem estarmos seguros, aí o “se” tem um gosto cada dia mais amargo.

  15. Você sempre escreve coisas linds. E esse seu post apareceu na minha vida junto com outro “puxão de orelha”, só que este, cinematográfico: o filme Antes de partir.

    besitos, querido!!!

  16. Hum… vou ver se consigo ver o filme

  17. nossa, me perdoa. na verdade to morrendo de vergonha.
    nao tenho esse costume de nao colocar a fonte, se reparar sempre escrevo embaixo de onde tirei o texto em questão.
    no teu caso nao me lembrava msm de onde tinha tirado e te garanto que não foi do blog. pois nunca havia o visitado antes.
    e qnd copiei ele ja estava alterado daquele jeitinho. nem mexi.

    ja fiz as devidas alterações.
    peço desculpas mais uma vez.
    abraço.

  18. Juuuuuuuuuuuuuuu, eu tenho medo de andar de avião, mas você não tem, vai lá e dá um empurrão no Tiago, rsrsrs
    Filho e eu fiquei feliz de você ter lutado e não ter desistido, não ter jogado a toalha, que bom.
    Você sabe que sou paga pau né???
    Bjs

  19. Gostei muito do texto Guri!!

    Me lembra uma expressão que ouvi uma vez: Saudades do futuro!

    É ter saudade do que você idealizou para o futuro e por algum motivo os planos não se efetivaram. Pode-se dizer que não chegou o momento, e que eles estão lá, na gestação interminável de um elefante, mas, ainda não aconteceram e deixam saudades.

    Cabe a cada um de nós decidir se nos manteremos no conforto de simplesmente sentir falta, pensando no “e se…”, ou, se vale a pena correr atrás, indo diretamente ao encontro dos obstáculos. E se algum dia nos sentirmos incompletos, por qualquer coisa que seja, nada melhor do que ter a certeza de que fizemos nossa parte, tentando. =)

    • Ju, só não acredito muito nessa de “não era hora”.

      Acredito que as coisas não “acontecem”, acredito que “fazemos acontecer”

Comente aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s