Diário de Viagem 2009 – A primeira folha


SNC00103Dos días tarde, inicío o registro das impressões, sentimentos, idéias e observações que acontecem desde o último dia 30-Jun, ainda no Brasil. Com uma bandeja de damascos, outra de mini-croissants e bebendo um Nestea de laranja no quarto do hotel, tomo coragem para escrever. Na verdade, não é só coragem, mas agora, finalmente, tenho energia. Falo disso mais tarde.Vamos ao início: era uma vez…

A despedida foi estranha: eu realmente não senti nada. Fiquei assim durante dois dias: um estado de torpor da mente, via a todos, sorria, conversava, mas não estava lá. Não de fato. E também não estava aqui. Estava apenas longe. E é essa a tônica, esse é o sotaque pelo qual escrevo essas primeiras linhas. Nem espanhol, nem inglês, nem portugues, tampouco portunhol. Apenas torpor.

Não hoje, mas farei um relato dos passos que me trouxeram até este hotel no centro de Barcelona. E não o farei hoje, pois quero faze-lo com calma, não ainda. É uma história que se inicia 4 anos atrás e precisa ser contada com o devido cuidado. Por hora, falemos do hoje. Já é assunto para uma noite (no caso da Espanha) ou dia (no caso do Brasil) inteiro.

Ao passar pelo portão de embarque no Aeroporto de Guarulhos, a primeira coisa que notei: “Quantos notebooks!”. Sim, foi a minha primeira impressão de viagem e fiz questão de registrá-la cuidadosamente. Uma grande quantidade de pessoas passando com seus notebooks pelo sensor de metais. Eu seria mais um. Horas depois, no avião, me lembraria desse fato. “O brasileiro está melhor”, pensei.

Tive que deixar meu Vasenol no lixo do Aeroporto. Nem me dei conta que estava na mochila. Para os desavisados e piadistas de plantão, é um utensílio bastante útil para professores que se deparam com lousas de giz. Não lembrei que estava na mochila e o segurança chegou a me dizer que eu poderia pegar um potinho menor lá fora e voltar. Neguei. E a negativa tem um símbolo. Deixa pra lá… acho que não vou mais precisar dele. Dá pra decidir uma vida em momentos como esse.

Na fila, quase chegando na conferência de passaporte, havia um grupo de adolescentes da Fundação Gol de Letra na minha frente. Muito legal o trabalho deles: os 8 melhores ganharam uma viagem: Madrid-Paris-Lyon. Raí e Leonardo continuam mandando muito bem fora de campo. Mas se isso é muito legal para as crianças, meu sono não pode dizer o mesmo: mais de 10 horas de viagem, plena madrugada no Brasil, e só consegui cochilar (bem leve) por 2:30 h. As 6:30 da manhã me acordaram abrindo as janelas do avião, andando e conversando e rindo pela aeronave. Ah, 6:30 do horário europeu de verão: 1:30 no Brasil. Tudo bem, estou viajando pela primeira vez ao exterior, em meu primeiro congresso, sozinho, cansado e minha mente não percebe nada disso. Estou apenas voando. Medo? Que medo? Quase não senti a decolagem (a parte que me faz fechar os olhos). A viagem foi super tranquila (na parte de fora da nave), a despeito de dois períodos breves de turbulência onde, em um deles, cheguei a me levantar para pegar um copo de suco no fundo do avião. A viagem mais tranquila que já fiz. Gostei!

Na hora da refeição, fui servido de penne à bolonhesa: “massa”. Foi engraçado ver gente pedindo o tal pollo sem saber o que era: “Oh, é frango!”, exclamavam ao abrir o aluminio. Minha massa não era uma maravilha, mas há 2 dias eu não sentia o gosto da comida. Pensando em maximizar o valor da passagem, fui pedir um vinho tinto para acompanhar. Ledo engano. Fui orientado por um espanhol de Madrid que sentava-se ao meu lado (e é capitão de navio, trabalhando na dragagem do porto do Espírito Santo, 40 dias lá, 40 dias cá) que o tinto no és bueno. Blanco és bueno. Fui por ele. Nota mental: “não tentar bancar o esperto”. Fiz xixi a 11 mil metros de altura. Nada de especial, na verdade. Nem mesmo o atendimento das aeromoças espanholas: grossas como touros bravos. Aliás, é uma característica que notei nas pessoas que trabalham com atendimento aqui: raros são atenciosos e costumam perder a paciência facilmente. É mais fácil chegar falando inglês com eles do que portunhol.

Chegado em Madrid, meu segundo desafio (sim, o primeiro – da viagem – foi a própria viagem de avião): passar por la policía de inmigración. Eles tem barrado muitos brasileiros nos últimos anos. E quase aumento a estatística. Não me causou surpresa. É uma questão matemática: se ficarei 4 dias no congresso e tenho reserva de 6 dias para uma viagem de 21 dias, adonde están los últimos 15 días? Disse que iria para a França, outra pergunta esperada: “Tieñes el ticket?”. Tirei um amigo frances da cartola que virá me buscar para irmos de trem. A moça olhou desconfiada e carimbou o passaporte sem levantar mais os olhos. Entendi o recado, mas, a lá mierda!! Estou no Velho Mundo!!!

Uma hora e meia de espera em Madrid. Aproveitei para ver as lojas. Um aeroporto gigante!!! Muito bonito, muito bem cuidado. Precisa de trem pra ir de um terminal ao outro

Em Barcelona, as primeiras dificuldades: celular já com pouca bateria (IHATESAMSUNG!), acabei ficando sem o roteiro pra chegar no hotel (que pretendia acessar por aí). O wifi (aqui na Espanha, fala-se uífi) não pegava e quando pegou, era pago. Apanhei, mas achei o trem, que me levou pro metro, que me levou pro hotel. UM BANHO! Era o que eu precisava.

O dia não acabou… corri pra tentar fazer o registration no congresso até as 20:00. Em vão: eita metrô devagar! Mas dele falo em outro post. Voltei pro hotel e acabou a bateria do cel e do note. O mais legal: os europeus tem uma tomada igual a nossa, aquela redondinha, mas os disgramados enfiam ela em outro buraco e, resultado, nem benjamim entra lá. Sofri e só consegui comprar o adaptador hoje (após rodar 5 andares de uma loja de departamentos que eles conhecem por El Corte Ingles). Assim, termino esse post – finalmente – com energia elétrica. Mais tarde ou amanha (pois aqui já são 22:00 e preciso levantar cedo), falarei do metrô e da primeira aventura no congresso.

Com sono, ainda cansado, e feliz.

Saudades de todos!

33 comentários sobre “Diário de Viagem 2009 – A primeira folha

  1. Ju…Nota- se que vc estava com mto sono mesmo ao escrever! Afinal, passando por tudo isso, e ainda lendo o artigo errado??!!Poderia ao menos ter sido poupado “DISO”…Nao dá p ser diferente, não é?!!=P
    Realmente é bizarra a escada rolante, mas eu ficaria mto feliz tendo uma assim aqui em SP…Ja pensou, no aeroporto de GRU??!! Não cansariamos tanto indo da asa A ate a C, mesmo qdo em vão…
    ehhehhe
    Ju..SUCESSO p vc ai!! Que tudo continue assim, dando certo p vc!!!
    Tbm estamos com saudades, e sabes que mesmo longe, estamos com vc!!!
    Bjocas,

    Deh

  2. Ops…corrigindo…ESCADA não, isso só aqui em SP, ESTEIRA!!!hahhaha

  3. Aiii…desculpa…nao era p ter contado??? Mas agora todos ficam na curiosidade de saber e vc tera mais visitas aqui…
    (Oh..to ficando boa com marketing…)

  4. Hehehehe…

    Muito boas as primeiras impressões.

    Poderia acoplar ao twitter, né…

    Abraços e boa sorte porque o pior já passou.

    Agora é curtir e dar uma de intelectual….

    • Pois é…. a parte ruim eu conto amanha
      hehehehe… a curtição, só depois de amanhã.

      De dar uma de intelectual, como assim??? Hehehehe…

  5. hehe!

    Pollo!!, na va falar polla, por que isso é um palavrao, e as esteiras rolantes sao necessarias, por que imagine ficar arrastando um monte de malas por um corredor gigantesco, e quando for a alguma lanchonete peça uma bocata de jamom (ramom), que é um sanduiche de presunto crú muito apreciado por ai. Aproveita bem, bom passeio!

    • Não sou fã de presunto cru… mas valeu a dica. Alguma dica para a França? Itália? Ainda tenho 3 dias, Barça, anything else?

      • Na França vc tem que comer um crepe com nutela, e um bom lanche rápido é a “grec de poule” (churrasco grego de gente) e se for a Paris o 1º domingo de cada mes o museu do Louvre tem a entrada gratuita, mas tem que ir bem cedo, para dar tempo de ver tudo, lá tem uns 5 km de acervos, e leve a camera.

  6. Oloco, po a esteira pode servir pros apressados tb, sai correndo e pa.. hehehe
    ó o joão dando lição de um cara vi…ajado😀

    Bom passeio e congresso pra vc ae!

    • Nada, cara! Essas dicas são super úteis quando ninguém fala a sua língua. É mais fácil falar com os espanhois em inglês do que em portunhol.

  7. Nossa, mas é muito heim, um diário da viagem, devíamos ter essa facilidade quando fui para Manaus, ia ter muita coisa pra contar.
    Quero saber do artigo erradooooooooooo, rsrs
    Legal a gente poder acompanhar assim sua viagem, meio que parece que estamos ai e por mim já é muito, rs
    Não esquece dos meus novelos de lã heim???? hahahahahaha
    Saudades também filho, fica com Deus
    Bjks

  8. Primeira viagem ao exterior é muito legal mesmo!! Tem tanto detalhezinho q chama a atenção. Aproveite!🙂

  9. Professor vai visitar o red district..Dizem que as vitrines de la são maravilhosas!!

    AUEHEHUEAHUEAUHEAHUEHAE

    Edgar
    Gati 2008

  10. Amei…. virei a mais nova fã desse escritor!!!! fala sério, no final isso vai virar um livro e vamos publica-lo, certo????? pode ter certeza q eu compro um dos primeiros!!!!!!!!!!!

    Não curto leituras longas, mas seu texto nao deixou de ser interessante em nenhum momento e me prendeu, mesmo sabendo q seriam meus poucos momentos antes da Julinha acordar (olha q esses momentos são preciosos e raros pra mim!!!).

    Ansiosa pelo próximo post!!!

    bjao

    • Hahahahah! Puxação de saco de prima não vale!!
      Mas tenho ouvido muito esse tipo de comentário… no fim, vou ter que escrever mesmo um livro! veja o post de 03-Jul para ver o que falaram.

  11. Mensagem da vovó: A vovó pergunta se vc está bem de saúde e que Deus o guarde e que se divirta bastante por ai. Não se esqueça da gente.
    Mensagem da Tia Coka: Estou com contente por vc estar feliz nessa viagem gostosa, que seja uma lembrança que vc curta sempre.
    Mensagem da Mamãe: Te amooooooooooooooooooooooooo, saudades. Leu meu bilhetinho??? Bjs filho.

    • Pra vovó: Estou bem, sim!!! É tudo muito louco, mas estou muito bem!!! E não esqueço ninguem!

      Pra Tia Coka: Vai ser!!! Beijo!!

      Pra Mamys: Leu sim!!! Já falo disso!!

  12. Mas meu amigo é muito chique mesmo, hein!?!?!?!
    Europa de mochilão…tudo de bom…
    Vou pegar os nomes dos lugares para você ir em Paris, porque não vou pagar o mico de escrever errado aqui….rsrsrs…essa sou eu…hehehehe
    Em Roma, vá à Fontana de Trevi (lógico), Trastevere (um bairro que tem uma praça que não lembro o nome agora, mas é famosa), e o circuito “o romance está no ar”( hahhaa) Gênova, Veneza, Firenze. La Buca Romana (enfia a mão lá prá gente saber se você é mentiroso….hehehe). Piza é meia-boca. Não vá para o sul que é roubada. Se puder passeie pela Cortina D’Ampezzo. Aí pode dar uma esticada até Salzburg, Innsbruck…pertinho
    beijoca e sucesso aí!

    • VALEU AS DICAS, .CON!!!

      Nao devo fazer o roteiro romantico, até pq estou solito aqui, né? Hehhee… Mas vou ir nos lugares que conseguir e vamos ver se sou mentiroso ou não (e não vou contar aqui o resultado, hehehe)

  13. Bah Professor o Espanhol é folgado mas bem aqui, pertinho de nós, mais diretamente em Brasilia é lógico, tem uma destas escadas rolantes horizontais para que os nossos queridos deputados e senadores não fiquem com “fadiga” e possam votar no que é melhor para todos nós…hehehehe

    • Paulo, o espanhol é folgado e grosseiro. Ô gente que trata mal, viu! O paradoxo é que o povo (que não deveria estar treinado para tratar bem) trata melhor que os atendentes. Vai entender…

      • Professor,

        Aproveite e curta bastante a viagem, na volta vamos perguntar sobre esta cultura, tem coisas que somente vivenciando sabemos da verdade.

        Sei que a Espanha tem excelentes museus traga pra nós esta experiencia.

        Grande abraço, e estou acompanhando o dário.

        • Paulo, acabei nao indo aos museus. Sei la, sabe o que me atrai numa cidade? Os ruas, as pessoas, a vida da cidade. Estou descobrindo isso. E isso explica (ao menos em parte) porque amo tanto minha saudosa Sao Paulo.

  14. João, valeu mesmo as dicas!!! Pode deixar que vou provar o crepe de nutella!!! Se tiver mais dicas, me avisa!!

  15. Pingback: Diário de Viagem – Aprendizados « Na Toca da Cobra

  16. Pingback: Diário de Viagem 2013 – Vistos e Carimbos | Na Toca da Cobra

Comente aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s