Diário de Viagem 2012 – O menino da coleira

Podem dizer que é amor, cuidado ou o nome que quiserem dar, mas ver um menino sendo segurado por seu pai em uma coleira é revoltante. Seja no Brasil, na Estônia ou em Santa Rita do Passa Quatro.

Ridículo!

IMG_9488 - Coleira

PS: eu entendo a razão pela qual se usa essa coleira e até concordo que ela dá mais liberdade pra criança (provavelmente eu também usasse), mas que a imagem é forte, é.

 

Anúncios

Crianças e sexo na Noruega

O blog da Cilene Bonfim, Distant Daily, publicou recentemente a notícia de um estudo que afirma que os meninos noruegueses pressionam as meninas a fazerem sexo. Ok, a despeito de todo espanto, valores morais e outras coisas, me atentei aos comentários postados pelos leitores do referido blog.

A maioria postou reações de supresa e indignação. Não estou surpreso. Nem “mais” indgnado do que já estava. Na verdade, acredito ser essa a tendência… infelizmente. Converso muito com jovens por diversas razões. Desde alguns anos, aconselho e converso com muitos que não tem nos pais um amigo. Acabo sendo o “tiozão” (como me apelidou um desses jovens) com quem eles podem conversar. E gosto disso (apesar de ainda achar que os pais devem ser mais presentes).

O que tenho ouvido é que esses jovens vem iniciando uma vida sexual razoavelmente ativa cada vez mais cedo (13-14 anos). E vale para as meninas também. Poderia discorrer sobre questões culturais, religiosas, morais e uma série de outros aspectos envolvidos, mas vou entrar apenas em um que considero crítico e determinante: os pais.

Sim, há um bombardeio de sexo na cabeça das pessoas. As crianças entram no site do Terra e logo na capa aparece o TheGirl ou o TheBoy. Emails sobre sites pornôs são responsáveis por 80% do volume de e-mails na net (li isso esses dias, preciso encontrar a fonte). E há meninos noruegueses querendo transar.

O que não há muito, são pais comprometidos de fato com a educação de seus filhos. Que se disponham não a conversar sobre sexo, mas a conversar… sobre qualquer coisa. A jogarem video-game com eles, a levarem pra jogar bola, a brincarem de bonecas, e a ensinarem a varrer o chão, lavar a louça, fazer comida. Parece haver uma letargia, mas acho que a questão é pior. A mim parece (e isso é meramente opnativo) que os pais tem medo de educar, de ensinar, de impor limites e exercer alguma autoridade, sob o pretexto de estarem sendo “rígidos demais” ou de “não permitir que os filhos façam as próprias escolhas”. Bullshit!!! Os filhos nunca saberão fazer escolhas se não lhes for ensinado. E digo mais, eles estão sendo ensinados, mas não pelos pais. No fim, os pais apenas se omitem, mas as crianças continuam sendo ensinadas.

Eu já fiquei bravo com meu pai, mas reconheço o valor que aprendi quando ele me colocava de castigo se eu chegasse depois das 22:30h. Já quis xingar minha mãe, mas não há preço que pague as vezes que ela me fez dizer ao meu irmão que o amo nas vezes que brigávamos. Hoje, sei que um sorriso pode mais que uma cara feia.

Os pais relegam a sua função básica a qualquer um… e os filhos pagarão o preço por isso no futuro.

É uma pena…

Macho pra caramba!!

A BBC publicou matéria onde afirma que homens com voz grossa (como a minha, hãm, hãm) tem mais filhos. O estudo foi conduzido pela antropóloga Coren Apicella, de Harvard, com tribos na Tanzânia e aponta que homens com voz grossa tem, em média, 2 filhos a mais que os com voz fina.

Os pesquisadores ainda não sabem quais os fatores que levam a tal efeito, mas pretendem estuda-los. Também pretendem descobrir se há relação com desempenho em outras atividades físicas.

Enquanto isso… *falando com voz grossa* mulheres, estou solteiro.

=P

heheheeh…

Voces riem?? Até o Clodovil aderiu à onda!