Diário de Viagem 2009 – Anjos e Demônios


2009-07-08 - Itália - Roma (101)

Hoje é meu aniversário! Acabo de acordar depois de cair na cama exausto. Dormi com a roupa que estava, celular na mão, do jeito que cheguei ao quarto. E acho que é isso que querem saber agora: que quarto? Então deixo para falar do meu aniversário depois e vou falar da noite de ontem, dia 09 de Julho.

Não sabia bem o que fazer quando o safado do cara do albergue me devolveu o dinheiro da reserva. Peguei aquelas moedas sem acreditar muito no que estava acontecendo: eu estava em uma pequena cidade de um país estranho que fala uma língua que não domino – sequer consigo compreender facilmente – e são quase meia-noite. O cara até ligou pra outros albergues e não conseguiu nada. No fim, descobriu um hotel que cobrava o dobro do valor e eu deveria sair até as 10:00 da manhã. Achei absurdo! Não pelo valor: cheguei a pagar mais em Barcelona, mas pela atitude sem vergonha! Quando eu falei que ia voltar para a estação, o safado nem pra se prestar a me dar uma carona (ele tinha acabado de buscar uma guria lá). Mafioso!

Sem saber o que fazer, mandei algumas mensagens. Mandei SMS para a Elizabeth e para o Andrea perguntando se tinham idéia de algum lugar para eu ficar. Mandei para a Deby, em Sampa, avisando do infortúnio e confesso ter ficado ainda mais irritado. Elizabeth tentou alguns amigos, mas não havia lugar para dormir. A Deby perguntou do dinheiro pago pela reserva – a fim de saber se nem isso era garantia mais – mas, nervoso como estava, entendi isso como uma preocupação com a grana e não comigo. Parei de responder as mensagens.

Uma vez em Pisa, já contando que a minha “festa” de aniversário em frente à torre tinha ido pro espaço, fui até a praça, carregando a mochila e a mala e tirei algumas fotos. Ao menos teria as fotos da torre a noite como “presente”. Na torre, alguns jovens ainda tiravam fotos, outros bebiam. Um casal me pediu que tirasse algumas fotos deles. Foi difícil conversar a princípio: ele quase não falava, ela falava demais, mas não entendia inglês direito. Quem raios você são? Perguntei de onde eram. O rapaz disse que era inglês e aparentemente não sabia de onde era a moça. Muito estranho. Perguntei a ela. Resposta: “I’m from Brazil”. C’mon, man! Atravesso o oceano para topar com brasileiros em todas as cidades por onde passei!!! Tirei algumas fotos deles – agora com uma comunicação mais fácil. Ela era de Recife, mas morava em Amsterdã. Não perguntei muito mais que isso. A moça quis tirar uma foto comigo – virei atração turística na terra da torre torta – e me perguntou o que fazia ali naquele horário – certamente após ver a mala ao meu lado. Contei a história. É engraçado. Ela tentou me ajudar. Disse que não sabia se tinh vaga no hotel em que estavam, que o hotel era ruim mas poderia me levar até lá. Agradeci, mas já tinha me conscientizado a ir pra estação, dormir por lá até o primeiro trem para qualquer lugar e partir.

Tomei rumo pelas ruas da cidade de volta à estação ferroviária. É gostoso andar pelas cidades a noite na Europa. A sensação de tranquilidade e segurança são notórias. Tirei algumas fotos, mas estava realmente triste. As fotos, por mais lindas que fossem sob uma lua cheia de um céu limpo, não me animavam.

Próximo à pontezinha – aquela – recebi uma mensagem do Andrea: Daniele encontrou um hotel para mim! Ele disse que me encontraria na ponte e, já que eu estava lá perto, aguardei. Tirei mais fotos (lindas fotos) daquele simpático 2009-07-10 - Itália (2)riozinho. De repente, ele ficou mais bonito. Andrea me encontrou e pediu que esperassemos por Daniele, que viria com a confirmação – ou não – da vaga no hotel. Ele lamentou muito tudo aquilo, pediu desculpas pela cidade. Eu realmente não culpava a cidade, nem poderia. Safados há na Itália, no Japão ou no Brasil. Mas eles, por alguma razão, se sentiam muito mal com tudo aquilo.

Ao chegar, Daniele estava chateada: não havia mais vagas lá. Eu disse que estava tudo bem, que iria para a estação numa boa. Eles pediram que eu fosse com eles ver outro hotel – bem mais caro. Eu disse que não, que era o dobro do valor que eu iria pagar e tudo mais, mas insistiram. Daniele pegou minha mala e saiu andando. Simples assim. Perguntaram se eu tinha comido. Quase não comi na viagem, ainda mais numa situação dessas. É estranho: ao contrário da maioria das pessoas, quando estou ansioso perco o apetite. Tenho fome, meu estômago chega a roncar, mas não consigo comer. Andrea me comprou um kebab. Não foi abuso, eu estava com o dinheiro na mão para pagar e ele mandou que eu guardasse. Caramba, o que estava acontecendo??? Eles disseram que era meu presente de aniversário. Poxa, mas nem me conheciam! Daniele disse que se eles estivessem em São Paulo e acontecesse isso, o que eu faria? Já os havia convidado a conhecer Sampa e pensei na situação. Ok, opções de hotel em São Paulo não faltam, mas imaginei eles sozinhos a meia-noite na Grande Cidade sem falar português. Deu medo. Aceitei o kebab.

No caminho ao hotel, eles disseram que já que o hotel era o dobro, eles pagariam metade – como presente de aniversário. Que eles queriam que eu tivesse um boa estada na cidade deles e que não levasse má impressão. Disse que não, que eu podia pagar e tudo mais. Nem me deram chance de discutir. Realmente eu não tinha uma má impressão de Pisa. Nem da Itália – apesar de alguns enrolões. Não tinha jeito de discutir com o simpático e prestativo casal de italianos. Resolvi deixar a coisa correr.

2009-07-10 - Itália (6)No hotel, sem pestanejar, Daniele saca a carteira e paga a diária… toda! Eu queria bater nos dois! Mas eles faziam aquilo com alegria, não dava pra discutir. Estavam realmente felizes em ajudar. Me levaram até o quarto – Andrea carregando minha mala. E só me deixaram quando eu estava instalado. Foi fantástico!!! Deram-me um abraço de feliz aniversário e fiquei muito feliz.

Dormi como um bebe. Sequer troquei de roupa. Do jeito que sentei na cama, caí pro lado e dormi – uma das noites mais tranquilas da minha viagem. No dia seguinte, mandaram-me mensagens de feliz aniversário, perguntaram como fora minha noite e me desejaram uma boa viagem para Firenze (Florença). Não puderam me encontrar, pois estavam trabalhando naquela sexta-feira de manhã.

Me arrependo de não ter tirado uma foto com eles. Espero que tenhamos outra oportunidade. De alguma maneira, acho que teremos.

6 comentários sobre “Diário de Viagem 2009 – Anjos e Demônios

  1. Realmente são dois anjos que apareceram pra te ajudar heim??? Agora entendi a dos “dois anjos”, rs
    E você os conhece só pela Internet???
    Parece que em Barcelona a Lu também tinha uma amiga, hehe
    Beijocas e ainda com saudades ………….

  2. Caramba!!Que funçao né!!
    Acho que todos sofremos juntos nesse dia…E ainda ficou sem os videos que fizemos! =(

  3. Pingback: Desafio “10 Livros em 10 dias” – Livro mais caro que já comprei | Blog do Prof. Sergio.Jr

  4. Pingback: Na Toca da Cobra | Diário de Viagem 2009 – Firenze

Comente aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s